País registra queda em casos de dengue, zika e chikungunya

Casos de dengue, chikungunya e zika estão em queda no Brasil. Dados do último boletim epidemiológico, divulgado pelo Ministério da Saúde, revelam que os registros das principais doenças causadas pelo Aedes aegypti diminuíram entre janeiro e novembro deste ano, em comparação com o mesmo período de 2016.

© iStock

Entre essas três complicações, a que apresentou o maior percentual de declínio foi a zika. Segundo o ministério, até 11 de novembro, haviam sido registrados 16.870 casos da doença em todo o País. O número representa uma redução de 92,1% em relação a 2016, quando 214.126 casos foram registrados. Com isso, a taxa de incidência da zika passou de 103,9 para cada 100 mil em 2016, para 8,2 neste ano.

No País, as regiões Centro-Oeste e Norte são as que apresentam as maiores taxas de incidência: 38,3 casos/100 mil habitantes, e 12,2 casos/100 mil habitantes, respectivamente.

Em relação à dengue, a redução foi de 83,7%. Enquanto no ano passado foram notificados 1.463.007 casos prováveis da enfermidade, neste ano foram 239.076. Já os registros de dengue grave caíram 73%, ou seja, de 901, em 2016, para 243, em 2017.

Os casos de dengue com sinais de alarme (choque e hemorragia), por sua vez, eram de 8.875 em 2016 para 2.209 em 2017, redução de 75%.

Sobre a febre chikungunya, o boletim informa que foram notificados 184.458 casos prováveis. Assim, a taxa de incidência atual é de 89,5 casos para cada 100 mil habitantes. Isso representa uma redução de 32,1% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 271.637 casos, e quando a taxa de incidência era de 131,8 casos/100 mil/hab.

Essas quedas são acompanhadas pelo aumento das iniciativas do Ministério da Saúde para intensificar os trabalhos de combate ao mosquito Aedes aegypti.

[ads1]

Os recursos para as ações de Vigilância em Saúde, incluindo o combate ao mosquito, cresceram 83% nos últimos anos, passando de R$ 924,1 milhões, em 2010, para R$ 1,7 bilhão, em 2016. Para este ano, o orçamento de vigilância em saúde para os estados deve chegar a R$ 1,96 bilhão.

Um das ações é a Sexta-feira sem Mosquito, quando são mobilizados ministros, governadores e autoridades para estarem em todos os estados. Com informações do Portal Brasil.

Fonte: Notícias ao Minuto

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS
- Publicidade -

MAIS POPULARES